Alta ocupação

A ocupação do Comfort Hotel no mês de outubro foi de 73%, um ponto percentual acima de setembro. A diária média também subiu cinco reais, indo para R$ 214. Ambos ficaram com valores superiores ao orçado. Único hotel de bandeira internacional em Campos, por enquanto, o Comfort vai nadando de braçada.

Em breve a cidade ganhará quatro hotéis de bandeira internacional. Serão dois da Atlântica Hotels, Sleep Inn e Quality, localizados na Avenida do Contorno. E mais dois da rede Golden Tulip, Tulip Inn, na Avenida do Contorno, e Golden Tulip, na Avenida Pelinca. Fora os três hotéis da rede Bristol, sendo dois na Avenida do Contorno e um no Centro.

Vários hotéis de administração familiar, como o Pálace, Gramado e Canaã, entre outros, também vem experimentando um boom em sua ocupação, alcançando 100% nos dias úteis mais disputados. Hospedar alguém aqui de última hora, em meio de semana, é uma tarefa hercúlea.

LLX fecha acordo com GE para unidade no Açu

A LLX Logística fechou parceria com a General Electric para instalar uma unidade industrial no Superporto de Açu. O contrato tem a duração de 30 anos, com opção de renovação por mais 30 anos.

A planta, instalada no polo metalmecânico, terá 322.489 m² de área, e focará as áreas de Petróleo & Gás e geração de energia. Confira a noticia completa aqui, em matéria publicada no Infomoney.

Marsans mira Campos

A Marsans, uma das principais operadoras de turismo do país, definiu o seu plano de expansão no estado do Rio de Janeiro e escolheu quatro cidades, nas quais ainda não está presente, para abrir unidades no sistema de franquias: Campos, Petrópolis, São Gonçalo e Duque de Caxias.

Atualmente a Marsans tem 45 unidades, entre lojas próprias e franquias. Entre os atrativos que levaram a empresa a escolher Campos destacam-se: maior produtor de petróleo do Brasil, maior parte da indústria de cerâmica fluminense, forte mercado consumidor com quatro shoppings e gastos com viagens estimados em R$ 45 milhões por ano.

A cidade já conta com uma operadora de turismo de alcance nacional, a CVC, que tem uma unidade no Wal-Mart, além de possuir várias empresas locais familiares, como: a tradicional Esperança Turismo, LM Turismo, Aerovias e Ville Turismo.

Atualização às 22h09 de 28/11/2012: Correção, alertada por um leitor, do número de unidades da CVC em Campos, com exclusão da loja no Boulevard Shopping, que fechou.

Mais espaço para a beleza

A empresária Karla Bernardes, proprietária da melhor rede de salões de beleza em Campos e na região, está inaugurando hoje uma expansão física e de atividades de sua unidade matriz, Karla Bernardes Hair Dresser, localizada na Rua Saldanha Marinho.

Será aberto o Espaço Vip Noivas e Estética, no local onde anteriormente funcionou uma agência de modelos, em um anexo ao salão principal.

As noivas terão agora mais espaço, com três salas exclusivas e maior conforto para a preparação no seu grande dia. O espaço anterior já não suportava a demanda crescente. Somente no último sábado, nada menos do que 10 noivas fizeram sua preparação no salão. Haja marido.

O espaço também contará com uma área destinada à estética, para atender a uma demanda dos clientes. No evento de inauguração, que será hoje, às 20h30, será ainda apresentada aos convidados uma ampliação do Karla Bernardes Hair Dresser, com mais 10 cadeiras de cabeleireiro.

Karla Bernardes é uma empresária de sucesso, talentosa, determinada e dedicada ao seu trabalho. Tem ao seu lado o irmão Leo Bernardes, o seu braço direito e que comanda a outra unidade em Campos, e Ricardo Bueno, profissional multifacetado e o melhor na área de make-up da cidade, além de toda a sua equipe.

Campos é palco de lançamento da Coca-Cola

Será lançada amanhã, no estado do Rio, a nova embalagem retornável de 2 litros da Coca-Cola. Campos foi a cidade escolhida para ser a porta de entrada do produto em solo fluminense. A embalagem é de plástico e é mais prática, leve e econômica. Ela vem para substituir as atuais garrafas de vidro de 1,25 litro.

Os consumidores que possuírem a embalagem de 1,25 litro poderão troca-la pela nova garrafa retornável de 2 litros. O novo recipiente é feito de um plástico mais resistente que o utilizado na Pet comum, podendo ser usado e devolvido posteriormente para a indústria, em um ciclo que pode se repetir até 25 vezes com a mesma garrafa

O foco da Coca-Cola com o lançamento é atingir a emergente classe C. O evento acontecerá às 19h00, para convidados, na churrascaria Vitela.

Hertz finaliza compra da Dollar

A empresa de locação de veículos Hertz, que é sediada em New Jersey, nos EUA, concluiu o processo de aquisição da concorrente Dollar Thrifty, iniciado em agosto. A compra, de US$ 2,3 bilhões, foi acordada em agosto deste ano e dependia de aprovação dos órgão reguladores dos Estados Unidos.

A Dollar Thrifty permanecerá com marca própria e se tornará uma subsidiária da Hertz, que se consolida como segunda maior empresa de locação de veículos dos EUA em market share, atrás da líder mundial Enterprise Holdings, que detém as marcas National e Alamo, e a frente da terceira colocada Avis-Budget.

Com a aquisição, a Hertz aumenta a sua participação no mercado norte-americano de 19% para 24%, diminuindo a diferença para a líder Enterprise, que tem 39%.

A Avis-Budget, dona das marcas Avis e Budget, tem 18%. A Hertz foi inaugurada em Campos em junho deste ano, conforme foi noticiado aqui.

Fontes: Aquela Passagem e IBISWorld

Veta um pedaço, Dilma

Veta um pedaço, Dilma, por Lindbergh Farias

Lindbergh Farias, publicado em O Globo

A presidente Dilma Rousseff tem até o final do mês para sancionar ou vetar o texto do Projeto de Lei 2.565, que redistribui os royalties do petróleo e pune os estados produtores em favor dos não produtores.

O debate no Congresso gerou muito calor e pouca luz, e criou ilusões que urge desfazer, sob pena de lançar o país num conflito federativo que não beneficiará ninguém.

A primeira ilusão é que a briga do Rio de Janeiro pelos royalties é um choro egoísta de um estado rico. Não é. A receita subtraída do Rio seria de R$ 4,6 bilhões só em 2013 e R$ 77 bilhões até 2020. O governador Sergio Cabral não exagera ao falar em comprometimento da organização da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

É preciso lembrar qual é a razão da existência dos royalties. A Constituição assegura a estados e municípios produtores o pagamento de royalties como compensação pelos impactos socioeconômicos e ambientais decorrentes da exploração de recursos naturais, provendo-lhes a capacidade de prevenir riscos (pense no vazamento da Petrobras na Baía da Guanabara, em 1999) e atender ao aumento da demanda por serviços públicos.

Mas não é só isso: como lembram juristas ilustres, como o professor Luís Roberto Barroso e o ex-ministro do STF Nelson Jobim, a Carta também disciplina o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias) sobre hidrocarbonetos, estabelecendo sua cobrança no estado de destino — e não no de origem, como é regra geral.

No lugar da tributação do ICMS, os estados produtores de gás e petróleo fazem jus aos royalties e às participações especiais. Uma coisa compensa a outra.

Portanto, não é por ganância que o Rio se opõe à divisão proposta dos royalties; é para não ser punido duas vezes. Trata-se de combater uma violação absurda do pacto federativo, que se torna mais grave por mexer em contratos já firmados ao alterar a divisão dos royalties também do óleo explorado em regime de concessão.

Uma segunda ilusão é a de que o texto levado à presidente seja a tábua de salvação para as finanças dos estados e municípios não produtores. Sei das dificuldades que estados e municípios enfrentam neste momento, com a desaceleração da economia e a isenção de IPI — 58% dele vão para os fundos de participação. Mas o impacto da redistribuição dos royalties para as finanças será mínimo.

Não é com essa suposta justiça redistributiva que os problemas serão solucionados: é com um debate de altíssimo nível sobre o pacto federativo com a União, que tem concentrado arrecadação de forma crescente.

Minha proposta, a proposta do Rio, é que a presidente faça um veto parcial ao texto, suprimindo o artigo 3º, o artigo 4º e os parágrafos 1º e 2º. Ao fazer isso, estará preservando os contratos que foram feitos sob o regime de concessão, mas deixando as regras estabelecidas pelo Congresso Nacional para o regime de partilha. Os estados não produtores vão ganhar mais e os estados produtores vão ganhar menos.

Esta solução, ressalto, não atende ao Rio de Janeiro. Nós defendíamos aquilo que foi acordado com o presidente Lula em 2010. Naquele acordo, os estados produtores receberiam 25% dos royalties no regime de partilha. Com a nova regra, receberiam 22% no mar e 20% em terra.

O fundo especial para estados e municípios não produtores teria sua fatia aumentada de 44% para 50%. É uma solução de equilíbrio. Ao optar por um veto parcial, a presidente sinalizaria que o Brasil é um país que cumpre contratos e beneficia a todos, mas sem disputas fratricidas nas quais alguns estados ganham às expensas de outros.

Lindbergh Farias é senador (PT-RJ)

Subway na Pelinca

Foi batido o martelo. A Subway abrirá a sua terceira loja em Campos, que ficará localizada na Avenida Pelinca, na esquina com a Rua Barão da Lagoa Dourada, no ponto onde antes funcionou uma loja da TIM, em frente ao Sagres Beer. As outras duas lojas da rede ficam na Rua Doutor Siqueira e no Boulevard Shopping.

A franquia esteve em Campos e aprovou o ponto, que já está com o contrato assinado. Os objetivos dos proprietários, do Grupo 3J, comandado por Juca Pinto, são aumentar a visibilidade da marca e preencher lacunas dos outros pontos, tendo acesso a um fluxo de transeuntes grande no horário comercial padrão e a possibilidade de ter o horário de funcionamento estendido.

Esta será a quarta loja Subway do grupo, que recentemente inaugurou um ponto de venda em Itaperuna (relembre aqui). Com sucesso no ramo de alimentação, eles também têm a exclusividade da MegaMatte em Campos e irão inaugurar uma loja no Central Plaza Shopping (confira aqui).

Vacaria do Sul cresce

A Vacaria do Sul é, no meu ponto de vista, a melhor churrascaria do estado do Rio em termos de custo e benefício. Tem um preço justo para o buffet e o rodízio que oferece, em que pese os sobrepreços tradicionais neste segmento para bebidas e sobremesas, e um serviço impecável.

Há alguns anos, o restaurante ampliou o seu estacionamento, com o aluguel do terreno ao lado. Quem passa agora pela Vacaria vê as obras em andamento de uma ampliação, para o crescimento do salão destinado ao self-service.

Em breve o salão principal deve também ser ampliado para suportar a demanda crescente. A conferir.

Mr. Beer em Campos

A Mr. Beer, rede de franquias de cervejas artesanais, fechou contrato para um quiosque no mall do Boulevard Shopping, abrindo o seu primeiro ponto de venda em Campos. A expansão no Rio de Janeiro é estratégica para a empresa e nossa cidade entrou na rota de investimento devido aos royalties do petróleo e também ao fato de ser um polo universitário.

A rede surgiu em 2009, em São Paulo, um ano depois de três jovens empreendedores discutirem a idéia em um happy-hour na capital paulista. Sua lista de cervejas completa conta com 250 rótulos, de 15 países. Somente neste mês a Mr. Beer tem 9 inaugurações, contando com Campos, sendo 7 em shopping e 2 em lojas de rua.

Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados