Padre Nelson no Santuário nesta sexta-feira

DSCN6414Celebrando as Bodas de Prata de seu sacerdócio, Padre Nelson Antonio Linhares retorna nesta sexta-feira ao Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (Convento dos Padres Redentoristas). Após a Missa em Ação de Graças, às 19h30, Padre Nelson receberá os cumprimentos no Salão Paroquial do Santuário.

Filho de Nelsina Ribeiro Linhares e Antonio Arsênio de Souza, Nelson cresceu na pequena Rio Piracicaba, no interior de Minas Gerais. Logo cedo, sua mãe o estimulava na participação das missas e no canto no coral Menino Jesus. Nelson foi coroinha do Padre Levy, da Matriz de São Miguel. Aos 12 anos decidiu seguir a vocação sacerdotal.

Redentorista, foi ordenado em 12 de outubro de 1991, Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. De lá pra cá, passou por Presidente Kennedy-ES, Coronel Fabriciano-MG, Juiz de Fora-MG e Rio de Janeiro-RJ, até chegar ao Santuário de Campos, onde permaneceu de 2009 a 2014, quando partiu para atuar na Igreja de São José, em Belo Horizonte-MG.

Em Campos, sua força de trabalho e seu carisma foram responsáveis por importantes transformações físicas e motivacionais no Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Retificando: anteriormente publicado que o Padre Nelson estaria em Campos “hoje”. Na verdade, sua presença se dará “amanhã”, sexta-feira. Correção feita a partir de observação de meu querido amigo Diego Machado, jornalista e irmão na fé católica.

Misericórdia, o colo de Deus

jesus_misericordia_confio_em_vosA palavra “misericórdia” é formada pela junção de duas outras em latim: “miseratio”, que significa compaixão, e cordis, que significa “coração”. Assim, a melhor tradução humana, social e religiosa para o termo é “coração compadecido”. Segundo a crença católica, a freira Maria Faustyna Kowalska (1905-1938), canonizada pelo Papa João Paulo II em 30 de abril de 2000, foi chamada pelo Próprio Jesus Cristo de “Secretária da Divina Misericórdia” em aparições relatadas por ela em sua mais importante obra, “O Diário de Santa Faustina”.

Em seus relatos, Faustina diz que “Jesus apareceu vestido de branco e de seu coração emanava raios de luz nas cores vermelho e branco”. O Senhor pediu, segundo ela, que pintasse uma imagem Sua, fiel à imagem que se mostrava a ela, tal imagem deveria conter a inscrição “Jesus, eu confio em vós”. No seu “Diário”, a santa polonesa conta que a voz do Senhor Jesus lhe ensinou a rezar o Terço da Divina Misericórdia, em 14 de setembro de 1935, um dia após uma visão do anjo executor da cólera de Deus.

Hoje, em todas as dioceses do mundo, será encerrado o Ano Santo da Misericórdia, proposto e aberto pelo Papa Francisco em 8 de dezembro do ano passado. Na manhã do próximo domingo, dia 20, na solenidade de Cristo Rei, Francisco celebrará a Missa Solene de encerramento na Basílica de São Pedro, em Roma. Segundo site da Rádio Vaticano, a cerimônia prevê o fechamento do batente da Porta Santa no Vaticano.

Hoje, em Campos, as paróquias da diocese só terão celebração de missa na parte da manhã, ficando o período da tarde destinado apenas para a grande celebração de encerramento, a ser feita pelo bispo diocesano, Dom Roberto Francisco Ferreria Paz. Ele celebrará uma missa campal, após um instante de louvor e reza do terço, a partir das 16h, na praça do Santíssimo Salvador.

Em artigo publicado na Folha da Manhã, em dezembro do ano passado, Dom Roberto ressaltou que a Porta assinala a passagem e o encontro com o Rosto da Misericórdia. Segundo Dom Roberto, a proposta do Papa Francisco foi nobre, inspirada, sobretudo, naquilo que narra o evangelhista Lucas nas três Parábolas da Misericórdia.

O radialista e evangelizador Nelinho Figueiredo, que participará da programação, diz que se trata de um instante nobre, a ser vivido com ardor por todos os cristãos. “A misericórdia é o colo de Deus. É aquele instante em que cada um de nós, independente da situação em que estejamos vivendo, se aproxima do amor de Jesus Cristo e Ele, além de estender a mão, nos aproxima do calor do Seu peito. A abertura da Porta Santa foi uma grande festa, marcada pela verdadeira alegria, que vem de Deus. A festa de encerramento não será diferente”, finaliza Nelinho.

Comunidade campista homenageia Santa Edwiges

161016 Procissao de Santa Edwiges ac (7)161016 Procissao de Santa Edwiges ac (42) 161016 Procissao de Santa Edwiges ac (29) 161016 Procissao de Santa Edwiges ac (23) 161016 Procissao de Santa Edwiges ac (12) 161016 Procissao de Santa Edwiges ac (2)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(texto e fotos: Antunis Clayton)

A Comunidade da Irmandade de Santa Efigênia comemorou neste domingo (retificando o “ontem” postado anteriormente) o Dia de Santa Edwiges. Logo após uma missa solene, celebrada pelo Padre Silvio Coquito, os fiéis percorreram as principais ruas do Centro de Campos conduzindo a imagem da protetora dos pobres e endividados.

 

História (fonte: Associação do Senhor Jesus)

Santa Edwiges que nasceu na Bavária (Alemanha) em 1174 e tornou-se modelo dos três estados de vida femininos: esposa, celibatária e viúva. Ainda criança já mostrava mais apego às coisas espirituais do que às materiais, apesar de dispor de tudo o que quisesse comprar ou possuir. Em vez de divertir-se, preferia manter-se recolhida para rezar.

Aos 12 anos, como era convencionado na casa real, foi dada em casamento a Henrique I, Duque da Silésia e da Polônia. Ela obedeceu aos pais e teve com o marido sete filhos. Quando completou 20 anos, e ele 34, sentiu o chamado definitivo ao seguimento de Jesus. Então, conversou com o marido e decidiram manter dentro do casamento o voto de abstinência sexual.

Edwiges entregou-se, então, à piedade e caridade. Guardava uma pequena parte de seus ganhos para si e o restante dava em auxílio ao próximo. Quando descobriu que muitas pessoas eram presas porque não tinham como saldar suas dívidas, passou a ir pessoalmente aos presídios para libertar tais prisioneiros, pagando-lhes as dívidas com seu próprio dinheiro.

Veio um período de sucessivas desventuras familiares. Num curto espaço de tempo, assistiu à morte, um a um, dos seus seis filhos, ficando com vida apenas a filha Gertrudes. Logo em seguida, foi a vez do marido. Henrique I fora preso pelos inimigos num combate de guerra e, mesmo depois de libertado, acabou morrendo, vitimado por uma doença contraída na prisão.

Viúva, Edwiges continuou a viver na virtude. Retirou-se do mundo, ingressou no convento que ela própria construíra, do qual a filha Gertrudes se tornara abadessa. Fez os votos de castidade e pobreza, a ponto de andar descalça sobre a neve quando atendia suas obras de caridade. Foi nessa época que recebeu o dom da cura, e operou muitos milagres, em cegos e outros enfermos, com o toque da mão e o sinal da cruz.

Morreu no dia 15 de outubro de 1243, no Mosteiro de Trebnitz, Polônia. Logo passou a ser cultuada como santa e o local de sua sepultura tornou-se centro de peregrinação para os fiéis cristãos. Em 1266, o Papa Clemente IV a canonizou oficialmente.

A Igreja designou o dia 16 de outubro para a celebração da sua festa litúrgica.

O culto a Santa Edwiges, padroeira dos pobres e endividados, é muito expressivo ainda hoje em todo o mundo católico.

Grupo de Oração abre Novenário do Padroeiro na tarde desta quinta-feira

Nelinho conduz o Grupo de Oração Salve Rainha (foto: Antunis Clayton)

Nelinho conduz o Grupo de Oração Salve Rainha (foto: Antunis Clayton)

O Novenário do Santíssimo Salvador, padroeiro de Campos, será aberto na tarde de amanhã (quinta-feira), a partir de 16h, pelo Grupo de Oração Salve Rainha, na Catedral Diocesana. Minutos antes, uma pequena procissão percorrerá o espaço entre o chafariz da Praça do Santíssimo e a igreja, quando os fiéis passarão pela Porta Santa. “Será uma tarde muito especial, com muita oração e louvores, iniciando a programação religiosa da festa do Nosso Padroeiro. Contaremos com a presença do Monsenhor Dílson, que trará a benção e uma palavra de vida para todos os fiéis que lá comparecerem”, afirma Nelinho Figueiredo, missionário que conduz o grupo de oração da Catedral, nas tardes de quinta-feira, entre 16h e 17h30.

Campos sedia hoje XV Romaria Estadual da Terra e das Águas do Rio de Janeiro

Representações de diversas dioceses do Estado do Rio de Janeiro estão em Campos participando da XV Romaria Estadual da Terra e das Águas do Rio de Janeiro. A programação, iniciada às seis horas da manhã, se encerra as 14h30, após apresentações culturais.

— Estas romarias são uma verdadeira bênção para crescer na espiritualidade da criação, a comunhão com a terra e a compreensão da destinação universal dos bens. Resgatando a “Carta da Terra”, que nos propõe uma nova e transformadora forma de viver e conviver, assumindo com simplicidade e humildade uma pegada ecológica mais equilibrada e equitativa, que possibilite a vida de todas as criaturas. Temos que pensar a água como um bem público fundamental para o desenvolvimento integral, harmonioso e solidário, centrado na sustentabilidade do planeta como Casa Comum — destaca Dom Roberto Francisco, bispo diocesano de Campos.

Ele alerta para este ano com a realização das eleições municipais e a preocupação com o rio Paraíba do Sul, o plano de saneamento básico e a necessidade de um desenvolvimento humano e sustentável e harmonioso que devem inspirar na escolha de prefeitos e vereadores. O bispo salienta para que a política como arte e ciência do bem comum, é também para a construção de espaços plenamente humanos e integrados com a criação na defesa da vida e da proteção ambiental.

Programação (etapas ainda não realizadas)

10h30 – Visita a Estação da Pesagro

12h – Visita Zumbi dos Palmares

13h30 – Apresentações culturais

14h30 – Encerramento

Monsenhor Joaquim – Missa de Sétimo Dia nesta segunda

Monsenhor-Joaquim2Será celebrada nesta segunda-feira (27/06), a partir das 19h, na Igreja de São Benedito, a Missa de Sétimo Dia de falecimento do monsenhor Joaquim Ferreira Sobrinho. A celebração será feita pelo bispo diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco Ferreria Paz.

fonte: Ricardo Gomes (Diocese de Campos)

Aos 81 anos, morre Monsenhor Joaquim

Monsenhor Joaquim morre aos 81 anos (foto: campos.blog.arautos.org)

Monsenhor Joaquim morre aos 81 anos (foto: campos.blog.arautos.org)

A Igreja Católica de Campos está de luto. Morreu hoje, aos 81 anos, o Monsenhor Joaquim Ferreira Sobrinho, com 54 anos de vida sacerdotal.

Atualização (21h20) – Monsenhor Joaquim faleceu durante um procedimento de angioplastia. Seu corpo será velado na Igreja de São Benedito. O horário do sepultamento ainda não foi anunciado.

Atualização (21h44) – Comentário assinado por Luciano Arruda, diz que “haverá missa de corpo presente, às 15h, na igreja São Benedito e, em seguida, sepultamento no cemitério Campo da Paz”.

Festa celebra 150 anos da entrega do ícone de N.S. do Perpétuo Socorro

Começa hoje, com o Terço da Aurora, a partir de 5h30, partindo de 11 diferentes pontos da cidade em direção ao Santuário (antigo Convento dos Padres Redentoristas), a programação da Festa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que neste ano celebra os 150 anos da entrega do ícone da Mãe do Perpétuo Socorro aos missionários redentoristas. A programação do primeiro dia também marcará o início da Novena (18h), terá Celebração Eucarística (18h30) e um concerto com o pianista João Carlos Assis Brasil (20h).

Maiores informações sobre a festa, e sua programação completa, podem ser encontradas AQUI no site do Santuário.

Catedral acolhe na tarde de hoje o Grupo de Oração Salve Rainha

Nossa-Senhora_procissaoA Catedral Diocesana acolhe hoje, a partir das 16h, a primeira edição do Grupo de Oração Salve Rainha. As orações serão realizadas diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima, com as participações do Missionário Nelinho Figueiredo e do Monsenhor Dílson. Caravanas, vindo de diversos distritos, estarão participando. O grupo estará reunindo semanalmente, sempre às quintas-feiras, às 16h.

Anunciação e Paixão de Cristo no mesmo dia

Unnamed1Sempre vi a Anunciação como um dos instantes mais belos da história humana. E arrisco até apontá-lo como o mais belo, já que os instantes proporcionados por Jesus Cristo foram humanos e divinos ao mesmo tempo, como Ele próprio. A Igreja celebra o Dia da Anunciação em 25 de março, data a partir da qual, contados os nove meses exatos de uma gestação humana, alcança-se o 25 de dezembro, Natal do Nosso Senhor. São datas que não se tem precisão, mas que a fé se incumbe de guardar em ambiente nobre nos corações cristãos.

Neste ano, a Anunciação de 25 de março, hoje, portanto, coincidiu no mesmo dia da Paixão e Morte do Nosso Senhor Jesus Cristo, celebrada em data móvel pela falta dos registros tipográficos da época, pela falta de precisão na colocação de datas nos Escritos Sagrados e até mesmo por alterações feitas no calendário humano ao longo dos tempos.

Essa coincidência aconteceu apenas 11 vezes, conforme você pode ver AQUI no site da Comunidade Totus Mariae. Por conta da coincidência, a Igreja celebrará a Anunciação no dia 4 de abril.

O ponto de partida para a reflexão é a palavra “sim”, verbalizada e pronunciada em atitude por Mãe e Filho. Nossa Senhora, por amor a Deus e sabedora da necessidade humana da chegada do Messias, ofereceu seu ventre à Graça trazida pelo Espírito Santo, tomou para si, confiante e sem medo, a nova vida, fez-se a primeira de todos os cristãos.

Seu Filho, anos mais tarde, conduzido por um amor incomparável por cada um de nós, por amor e fidelidade ao Divino Pai Eterno, não hesitou em deixar impressos na cruz Seu Sangue e Sua Dor.

Que cada coração possa também expressar um “sim” neste dia e nesta sociedade contemporânea tão marcada pelo “não”.

Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados