Arquivos

Roda de Conversas recebe Patrícia Terra, Conselheira do CREF 1.

O Roda de Conversas recebe a Professora, Ms. Patrícia Terra, Conselheira do CREF1 .Licenciatura Plena em Educação Física – UERJ, Mestre em Ciência da Motricidade Humana – UCB, Professora de Educação Física – Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes, Responsável Técnica – Educação Física do Programa Saúde na escola /PSE – Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes, Professora e Gestora do Curso de Educação Física – UNIVERSO / Campos dos Goytacazes .15645474_10206413501896306_1584215880_n

Vida Ativa: Como profissional de Educação Física como você analisa o mercado de Campos e região, para os profissionais da área?

 Patrícia Terra:  Acredito no potencial da área de Educação Física, seja na modalidade licenciatura ou bacharelado, como possibilidade de construção de hábitos que levem à qualidade de vida. Assim, não é questão de uma ou outra região ser um nicho de mercado mais ou menos favorável, mas de empenho profissional, criatividade e sensibilidade para compreender as demandas que surgem e que se modificam a cada dia. É preciso, cada vez mais, investir em conhecimento para que possamos estar atualizados, legitimados e reconhecidos no segmento que atuamos, mas não por vaidade e sim por competência e responsabilidade com o outro.

Vida Ativa: Você é Conselheira do CREF1, há um avanço nas ações propostas pelo Conselho em Campos e região? Por exemplo as fiscalizações aumentaram, estão eficazes?15645094_10206413513216589_1790835592_n

Patrícia Terra: Sou Conselheira do CREF1 há quase um ano e posso afirmar que muito trabalho foi e está sendo realizado, não apenas pelo Norte e Noroeste Fluminense, mas por toda categoria. São ações compartilhadas com outros Conselhos, como a recenteluta” para que a Medida Provisória (MP) 746/2016 de reestruturação do ensino médio não tornasse facultativo o componente curricular Educação Física. São ações específicas, como a Lei 7195/16 que confere, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, que todos os conteúdos curriculares da disciplina de educação física sejam ministrados por um professor formado na área e determina o prazo de dois anos para adequação dos estabelecimentos de ensino.

Cursos de formação continuada foram realizados, ao longo de 2016, em Campos e na região no intuito de atender demandas apresentadas e sugeridas pelos profissionais registrados no CREF1.

As constantes fiscalizações não só aumentaram em número de visita, mas também avançaram em termos qualitativos, orientando para que ações indevidas, comprometedoras da ética profissional e da excelência na qualidade do atendimento prestado à sociedade não mais possam existir.15645577_10206413702661325_1945539970_n

Vida Ativa: Vivemos a era do consumo do “corpo ideal”, a procura exacerbada da estética. As academias aumentam em número na cidade e com bom público, entretanto passado o período de verão, a tendência é diminuir a prática. Onde está o erro nesta equação?

Patrícia Terra: Eu diria que encantar pelo modismo e culto ao corpo é uma estratégia volátil, fadada ao fracasso, porque ficará na dependência da necessidade de exibir a “escultura corporal” e na evidência midiática dos profissionais e das academias. Por outro lado, orientar com conhecimento para construção de um corpo belo e saudável, atender com qualidade, respeitando a individualidade e os limites de atuação profissional, são importantes elementos, ao nosso alcance, que podem fidelizar o aluno/cliente ao profissional e a academia.

Vida Ativa: Deixe uma mensagem para os profissionais de Educação Física de Campos e Noroeste Fluminense.

Patrícia Terra : A mensagem que quero deixar é que podemos ter legalidade diante das nossas atuações frente à área da Educação Física, por termos concluído a formação acadêmica, mas precisamos de legitimidade no exercício profissional, fruto do cumprimento dos deveres junto à categoria e constante busca de conhecimento. Que diante de cada proposta de trabalho, seja ela desafiadora ou não, façamos o nosso melhor e sejamos respeitosos acima de tudo! Feliz Natal e um excelente ano de 2017!

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Novos caminhos para antigos desafios.

Nos próximos dias 15 e 16 realizaremos as conferências de apresentação de dois artigos científicos no XII Congresso Latino Americano de Educação Física. Promovido pela FIEP -International Federation Physical Education , sediada na Bélgica a FIEP é uma organização que através de conceituados critérios, realiza e desenvolve as pesquisas acadêmicas nos mais diversos âmbitos da Educação Física e Saúde.480117_3835454818376_802280440_n

Apresentarei então , na oportunidade, os dois mais recentes artigos escritos por mim com a orientação do Phd.Dr. André Luiz Marques Gomes e que serão publicados no periódico internacional Bulletin Fiep, com circulação na Europa, Américas,e demais continentes.

O primeiro artigo, Desafios do envelhecimento, como o nome sugere, trata do processo de envelhecimento em sua mais ampla magnitude  e seus desdobramentos .Trata ainda da importância da implantação de uma política pública democratizadora  do processo de envelhecimento saudável e ativo, implantada e desenvolvida pela SEMEARC– Secretaria de Envelhecimento Atenção Resiliência e Cuidado, da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro criada pela atual Deputada Federal Cristiane Brasil.  Muito mais que um projeto, a SEMEARC, atua com um programa perene que abrange as mais diversas potencialidades humanas e com atendimento a mais de 50 mil pessoas acima dos 40 anos.11951373_730919587034568_5994524944669686390_n

Recentemente em sua ida a ONU-Organização das Nações Unidas- Cristiane Brasil teve   a oportunidade  de apresentar os resultados métricos dos indicadores de qualidade de vida obtidos através da implantação e desenvolvimento dos projetos Qualivida , RAl -Rio ao Ar livre,Casas de Convivências e as ATIs – Academia da Terceira Idade.

 Já  o segundo artigo , Localidade, um ponto de divergência na prática de atividade física, é na realidade um retrato do que temos em Campos dos Goytacazes nas últimas décadas . São indicadores que podem nortear , servir de diagnóstico enfim, um norte para os anos vindouros. Campos hoje , com 748 mil habitantes( IBGE 2016) , possui 12% de pessoas com 60 anos ou mais, porém o que impressiona é o quantitativo percentual da população entre 35 à 55 anos, o que beira a quase 70% da população.

Certamente que há de se planejar uma cidade mais humana, um envelhecimento mais saudável e uma política pública municipalista que venha de encontro aos conceitos mais modernos e eficientes, para uma geração que envelhece par e passo aos avanços tecnológicos mas se mantem distante dos indicadores de qualidade de vida.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Ada Lavor, no Roda de Conversas.Envelhecimento e saúde bucal .

Vida Ativa: A explosão demográfica aponta índices alarmantes para o envelhecimento da população. Como uma manter a saúde bucal da população que envelhece?

Ada Lavor: Diante da mudança desse perfil populacional e de suas necessidades, os serviços de saúde nem sempre acompanham estas transformações. A saúde bucal tem sido relegada ao esquecimento, no caso brasileiro, quando se discutem as condições de saúde da população idosa. A perda total de dentes (edentulismo) ainda é aceita pela sociedade como algo normal e natural com o avanço da idade, e não como reflexo da falta de políticas preventivas de saúde, destinadas principalmente à população adulta, para que mantenha seus dentes até idades mais avançadas, nesse contexto, faz-se urgente, inserção de medidas preventivas e reabilitadoras, a nível público e privado para que busquemos a longo prazo metas das OMS, em que na faixa etária de 65-74 anos, 50% das pessoas deveriam apresentar pelo menos vinte dentes em condições funcionais.11406821_918451151548951_4740429043506488182_n

Vida Ativa: A OPAS -Organização Pan Americana para Saúde, braço da OMS -Organização Mundial de Saúde, alerta para uma série de medidas preventivas para saúde bucal. na sua concepção a indústria gerou novas tecnologias para atender a população que envelhece?

Ada Lavor: Diariamente, observamos novos materiais no mercado odontológico, focando quase sempre na estética. Tecnologias voltadas hoje para a população idosa visa a reabilitação com implantes e próteses, quando o dente natural já foi perdido. Porém, junto com a idade, vem as doenças crônicas, algumas delas contra indicando o tratamento reabilitador cirúrgico.

Vida Ativa: Qual o retrato as saúde bucal do idoso Brasileiro?

 Ada Lavor: Em 2003, foi realizado pelo Ministério da Saúde em parceria com o Conselho Federal de Odontologia e faculdades de odontologia (públicas e privadas) um Levantamento das Condições de Saúde Bucal da População Brasileira e os problemas bucais mais prevalentes na população idosa foi a grande porcentagem de edentulismo ( ausência de dentes). Infelizmente, a realidade é de uma população idosa onde mais de 50% da população necessita de algum tipo de prótese, sendo as totais em maior prevalência.

Vida Ativa:  Seu trabalho tem o foco na qualidade de vida de seus pacientes. Como é atuar junto a pacientes especiais?

 Ada Lavor: Costumo falar com orgulho, que meu grande encontro com a Odontologia foi durante a especialização em Pacientes com Necessidades Especiais em 2008. Formada há 14 anos, atuo no serviço público e privado e a prática clínica vai refinando diariamente nossa capacidade técnica. No entanto, atender pacientes especiais vai muito além de dominar materiais e técnicas inerentes à profissão. Requer do profissional uma sensibilidade que não se aprende em cursos, requer sim, olhar para o outro e se colocar no lugar dele, a famosa empatia, que recarrega minhas energias diariamente. Cada paciente é um aprendizado, uma troca, uma gratidão. Durante o atendimento, busco envolver a família no processo de cuidados bucais como instrução de higiene, causas da doenças bucais e sua influência na saúde geral do paciente. O resultado é um paciente acolhido, cuidado, familiar envolvido no processo e eu realizada com profissional e ser humano.

 

 

 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

A importância das relações sociais e o processo de envelhecimento.

Atualmente muitas pessoas ainda tem uma visão mistificada do processo de envelhecimento, com a ideia de que com o avançar da idade, os idosos diminuem suas redes de relações sociais, tornando-se menos satisfeitos com a vida. Embora muitos pensem que envelhecer significa deixar de desenvolver-se, adoecer e afastar-se de tudo, na verdade, existem possibilidades da pessoa continuar ativa e de manter uma boa qualidade de vida.

Enxergamos hoje um movimento muito forte com relação aos espaços dedicados ao processo dos que envelhecem: Centros Dia, Centros de Convivência, Centros de Referência, Universidades da Terceira Idade, entre outros. Estes espaços promovem atividades em grupo direcionadas aos idosos, com diferentes objetivos cada uma. Porém, a interação promovida nas atividades gera um retorno extremamente significativo a cada um dos participantes. A interação social gerada entre os idosos desenvolve o senso de bem-estar nos mesmos, assim como a melhora no funcionamento físico. As redes sociais que se estabelecem com o contato contínuo dos idosos podem ser fontes protetoras e mantenedoras de saúde.

Estudos indicam um aumento na qualidade de vida e na longevidade em idosos que apresentam uma vida social intensa. A vida social do idoso não se resume apenas a participação dele nos grupos de terceira idade, mas também à boa relação com sua família, o envolvimento em grupos de sua comunidade, como um grupo religioso, por exemplo. Vale lembrar que a qualidade dos contatos sociais é mais importante do que a quantidade. A capacidade de interação social varia de pessoa para pessoa, por isso não significa que aquele que tenha menos contatos possua uma qualidade de vida pior do que aquele que possui mais contatos.

As relações sociais também promovem o bem-estar mental na velhice. A ausência de convívio social pode causar severos efeitos negativos na capacidade cognitiva geral, além de depressão. As pessoas que estão em contato com as outras podem ser mais inclinadas a ter hábitos saudáveis, a ajuda dada ou recebida contribui para o aumento de um sentido de controle pessoal, tendo uma influência positiva no bem-estar psicológico de cada um.

Entendemos, portanto, que a interação social é um fator de proteção no envelhecimento ativo e saudável, deve fazer parte do nosso curso de vida, assim, quando chegarmos na velhice não nos sentiremos desamparados. Também devemos sempre lembrar a importância de estabelecer novas relações, nos inserirmos em grupos e estarmos ativos em nossa comunidade.

 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Envelhecimento , caminho sem volta. Previdência ,trabalho e aposentadorias.

Enquanto a ONU projeta que a população com mais de 60 anos, 12,3% da parcela global no ano passado, dobre daqui a 55,8 anos, o Brasil terá o seu quinhão em apenas 24,3 anos. Por aqui, a fatia de habitantes idosos é de 11,7%, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). No mesmo 2015 como marco, 75,6% das pessoas com mais de 60 anos estavam aposentados e/ou eram pensionistas.

A vulnerabilidade está exposta. E se a aposentadoria não está garantida, trabalho também é recurso escasso para quem envelhece. Na década encerrada em 2015, o nível de ocupação dessa faixa etária caiu de 30,2% para 26,3%. Acumular aposentadoria e trabalho também ficou mais difícil, reverberam os números: a proporção de idosos nessa condição caiu de 62,7% para 53,8%.

O tempo que se tem, por sua vez, é cada vez maior. Ganhamos três meses a mais de vida, segundo as Tábuas Completas de Mortalidade do Brasil, também do IBGE: a expectativa anunciada  é que a vida se prolongue até os 75,5 anos.

Em 2014, a expectativa de vida do brasileiro ao nascer era de 75,2 anos. Parece pouco, mas é melhor não pedir muito mais, pelo menos por enquanto, já que ninguém sabe ainda quem vai resolver a encrenca.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em seu Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde, lançado no ano passado, uma das dificuldades em se estabelecer uma resposta ampla para o envelhecimento da população é a diversidade de percepções e suposições que circundam os velhos que estão no mundo. Partindo de estereótipos ultrapassados, permanecemos limitados na tarefa de conceituar os problemas.

Não existe um idoso “típico” e as capacidades e necessidades de saúde, especificamente, dos mais velhos não é aleatória, mas estão vinculadas às circunstâncias e eventos que ocorrem ao longo da vida. É preciso, portanto, superar o impasse, alerta a própria OMS, e enxergar que os mais  velhos estão em todos os lugares.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Roda de Conversas com Ms.Anderson Moralles

1456049_10200157584781553_417088925_nHoje,  nossa Roda é com o Ms. Anderson Pontes Morales, Doutorando em Ciências Nutricionais (UFRJ-RJ); Mestre em Ciências da Motricidade Humana (UCB-RJ); Graduado em Educação Física; Docente dos cursos de Educação Física, Fisioterapia e Enfermagem (ISECENSA-RJ); Pesquisador pelo Laboratório de Química e Biomoléculas LAQUIBIO (ISECENSA-RJ); Pesquisador pelo Laboratório de Pesquisa e Inovação em Ciências do Esporte LAPICE (UFRJ-Macaé-RJ); Pesquisador pelo Laboratório de Química e Função de Proteínas e Peptídeos CBB/LQFPP/UEA (UENF-RJ ).

Vida Ativa : As pesquisas apontam o aumento da longevidade do brasileiro na mesma proporção dos povos da  Europa ocidental. Onde a CIENCIA da educação e saúde pode ser importante nesse processo?

Ms. Moralles: Bem, podemos utilizar as ciências (Saúde e educação) nesse processo como “ferramenta” de monitoramento das alterações no âmbito fisiológico do indivíduo, que irão estabelecer diretrizes de programas voltados para uma prática saudável, diminuindo a lacuna entre os povos. Busca-se diariamente o elixir da longevidade…podemos citar de acordo com a literatura científica a prática diária de atividade física (com intensidade média/alta) aliada a redução da ingestão de calorias. 14570299_10205534659845069_7842100561288000518_n

Adicionalmente o brasileiro está despertando para estas informações. Em um estudo publicado na Oxidative Medicine and Cellular Longevity (2016), pesquisadores observaram que os estudos epidemiológicos e experimentais indicam o papel protetor da prática da atividade física aliada a redução de calorias diárias contra os efeitos deletérios do envelhecimento e doenças cardiovasculares.

Os autores relatam que o envelhecimento e as doenças cardiovasculares estão associados a um estado crônico de estresse oxidativo e inflamação mediada por vias moleculares complexas interligadas. Deste modo, os resultados observados destacam a elaboração de programas sistemáticos pelo poder público/privado, utilizando a prática regular da atividade física de média/alta intensidade como “remédio” anti-inflamatório.

15232074_10205766008548642_4608005527142607642_n

Vida Ativa :Como profissional de Educação Física, como você vê a ingestão de tanto suplemento alimentar por praticantes de atividade física e não atletas de ponta?

 Ms.Moralles: Precisamos definir o que são ergogênicos nutricionais…são suplementos alimentares utilizados por via oral com a finalidade de complementar uma determinada deficiência nutricional e muitas vezes são utilizados por praticantes de atividade física como se possuíssem ações ergogênicas nutricionais, ou seja, induzindo melhoria do desempenho físico ou atlético. Sobre o tocante do assunto, sempre fui a favor da “comida de verdade”. Fico muito preocupado com esse crescimento em busca dos suplementos “mágicos” por esses praticantes.

Por exemplo, uma recente Revisão Sistemática com Meta-Análise publicada na Journal of the International Society of Sports Nutrition (2016) utilizando um simples CHO (carboidratos) com concentraçõesentre 6 e 8 % mostrou que o real potencial benéfico ergogênico da suplementação de carboidratos, está associado a prática de exercícios contínuos acima de 90 minutos. Um exemplo clássico que esse volume de exercício só é atingido por atletas.1236655_4558877549194_738599192_n 14606540_10205553136306969_42826089757589910_n

Vida Ativa :Quais são os problemas que podem causar o excesso de proteína no organismo, uma vez que a mídia impõem as dietas de whey protei…Aminoácidos entre outros?

Ms.Moralles:  Antes de responder, nunca utilize qualquer tipo de suplementação alimentar sem antes se consultar com um NUTRICIONISTA. A ingestão excessiva de proteínas continue a ser uma preocupação de saúde em indivíduos com doença renal pré-existente, a literatura carece de investigação significativa/significante demonstrando uma ligação entre a ingestão elevada de proteínas e a iniciação ou progressão da doença renal em indivíduos saudáveis. Mais importante ainda, as evidências sugerem que as alterações induzidas pela proteína na função renal são provavelmente um mecanismo adaptativo normal bem dentro dos limites funcionais de um rim saudável. 14238325_10205203170878052_6233906614377299478_n

Sem dúvida, estudos de longo prazo são necessários para esclarecer a escassa evidência atualmente disponível sobre esta relação. Atualmente, não existem evidências cientificas suficientes que justifiquem a elaboração de diretrizes de saúde pública.

Vida Ativa :Você considera que essa é uma geração “artificial” do ponto de vista dos suplementos, anabolizantes e da força das mídias em busca de um corpo perfeito?

Ms.Moralles Sim.

Vida Ativa De atleta a profissional de Educação Física, você passou de um século para o outro. O que foi decisivo para que você trilhasse o caminho acadêmico?

Ms.Moralles: A busca constante de informações que possa validar ainda mais o estado da “arte” do Educador Físico.

 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

UNATI ,educação continuada para e pelo envelhecimento ativo.

A educação até pouco tempo era direcionada exclusivamente aos mais jovens, pois se acreditava que o ser humano se desenvolveria inicialmente na infância (Primeira Idade), durante a fase adulta (Segunda Idade) alcançaria o seu máximo de desenvolvimento e, na velhice (Terceira Idade), o desenvolvimento não mais ocorreria.

No entanto, hoje sabemos que isso não é verdade, o ser humano se desenvolve ao longo da vida e, apesar das alterações ligadas ao envelhecimento, a terceira idade pode ser vivida com avanços e conquistas.

Casos como o de José de Sousa Saramago, escritor português, demonstram que a potencialidade humana não se esgota na velhice. Saramago decidiu ser escritor profissional quando estava próximo aos seus 60 anos de idade e devido ao seu modo inovador de escrever ganhou diversos prêmios, entre eles, o Prêmio Nobel de Literatura em 1998, quando tinha 75 anos.Universidade-300x223

Outro exemplo de que o ser humano nunca para de se desenvolver é o de Oscar Ribeiro de Almeida Niemeyer Soares Filho, mais conhecido como Oscar Niemeyer, mestre das curvas em concreto armado e gênio da arquitetura brasileira. Um de seus últimos projetos, o Centro Cultural Internacional Oscar Niemeyer, inaugurado em 2011 na Espanha, foi elaborado próximo aos seus 100 anos de idade, momento em que inovou e criou uma das obras mais encantadoras do mundo. Obra que ganhou prêmios, como “O melhor Projeto Nacional de Barcelona”.

Nesse contexto, na França, em 1973, Pierre Vellas, um professor universitário, confirmou que as oportunidades de educação oferecidas aos idosos eram quase inexistentes. Decidiu então abrir as portas da Universidade de Toulouse a todos os idosos, sem distinção de renda ou escolaridade, oferecendo-lhes programas com atividades intelectuais, físicas, culturais, artísticas e de lazer particularmente adaptados.

Tirar os idosos do isolamento, propiciar-lhes saúde, energia e interesse pela vida e modificar sua imagem perante a sociedade foram, desde o início, os objetivos do programa.

A partir desta iniciativa local, o programa se espalhou por todo o mundo de tal forma que hoje milhões de pessoas idosas de diversos países, de diferentes continentes, participam de uma série de atividades intelectuais e culturais, que contribuem para um envelhecimento ativo e, consequentemente, para uma velhice bem-sucedida.

No Brasil, a primeira iniciativa de oferecer educação a adultos maduros e idosos aconteceu na década de 1970, onde foram fundadas em São Paulo as primeiras Escolas Abertas para a Terceira Idade do SESC (Serviço Social do Comércio).

Em 1982, a Universidade Federal de Santa Catarina torna-se a primeira instituição de ensino superior no Brasil a aderir ao movimento Universidade Aberta à Terceira Idade. Atualmente, o Brasil conta com mais de 200 programas por todo o país em instituições públicas e privadas. Tais programas seguem os seguintes pressupostos:

a. O conceito de educação permanente prevê que a educação e a aprendizagem são contínuas e acumulativas, e não um conjunto pontual de eventos institucionais;

b. A educação para adultos maduros e idosos deve pretender no mínimo, incrementar os saberes e conhecimentos; potencializar os saberes práticos, o saber fazer, o aprender e seguir aprendendo e possibilitar o crescimento contínuo, as relações sociais e a participação social;

c. Deve estar fundamentada no reconhecimento da heterogeneidade deste segmento etário, possuidor de grande diversidade formativa e cultural;

d. A educação para idosos necessita de uma mudança da atitude social da própria clientela;

e. Deve realizar-se com, para e pelos idosos, potencializando sua participação.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Roda de Conversas com Diana Quitete. Campeã no Envelhecimento Ativo!

Coquetel8

Nascida para nadar!

Diana Quitete fez das piscinas sua principal morada, afinal, levou a sério o tratamento proposto pelo médico carioca que sugeriu a natação para cura de uma enfermidade respiratória. O Roda de Conversas de hoje, tem por objetivo, além do papo agradável com Diana, mostrar na prática como é importante para o envelhecimento saudável, a prática da atividade física e paralelamente, como é bacana vermos o envelhecimento com os olhos do idoso ativo, com sua funcionalidade preservada, com a alegria de participar desde a infância , de um ambiente altamente favorável a longevidade.

Vida Ativa: Diana, na história esportiva da cidade, você tem um capítulo à parte, o que foi mais difícil para você fazer tanto sucesso nas piscinas do mundo?

Diana Quitete: Jesus. Só Jesus. Era uma rotina de Liceu, piano (3hs)de estudo por dia, natação horas e horas, técnico Santafé,exageradamente exigente com horários e técnica, tinha que ser pura excelência no piano e no esporte. Eu agradeço a Deus sempre, Top  Brasil e Sul Americana, a primeira ida ao Rio-Vasco, recorde brasileiro, interior, bombeando o Góes Clube ,cheguei, olhei.. meia piscina e o povo gritava, RECORD, não  entendia dei um adeus para um tio na arquibancada, desclassificaram .IMG-20161201-WA0043

Vida Ativa: Qual a sensação ao ver o C R Saldanha da gama , palco de grandes vitorias , destruído ?

Diana Quitete : Chorei muitas vezes! O trampolim, eu era o máximo, tenho fãs até hoje, engraçado , que hoje  pergunto-me e,  acho-me sem  valor, pois meu  pai  pagava as  minhas  viagens, dores e dores  por ter  sido atleta  de ponta, fui Top  orgulho – me!  O Brasil não valoriza Seus valores!  download

Só o futebol! Fui para a natação por ter tido uma hemorragia nasal, começou assim tio Télbio e mamãe ,levaram- me para o Rio,melhorei e mandaram- me nadar, fortalecer as veias. Depois, naquela época, tomar leite de vaca para meus músculos pois, Diana Quitete  ,despertava, eu treinava, competia com os meninos nos treinos, ganhava de todos, acabaram com o Master, uma saudade .O Brasil brilhou em Mar del Plata.

 

 

 

 

 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Amanhã Roda de Conversas e longevidade

Como toda sexta é dia de um bate papo, amanhã não perca o Roda de Conversas. Receberemos a Campeã Diana Quitete.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati

Compromisso Nacional para o Envelhecimento Ativo, ainda não chegou a Campos.

populcaoCampos como município de mais de 700 mil habitantes(dados do IBGE 2016), necessita ter uma política pública com foco no desenvolvimento de redes de proteção social para os que envelhecem. Com uma população de mais de 70 mil pessoas com mais de 60 anos, o que representa (12%) da sua população , mediante os dados do Instituto Brasileiro de Geografia Econômica .

O Envelhecimento ativo e saudável é portanto ou deveria ser desde o início desse século, em Campos, uma ponta avançada de política pública de valorização e empoderamento da população que envelhece, poder envelhecer com dignidade, além disso o poder público estaria cumprindo um decreto de 2013 , que em nível nacional propõem uma série de medidas que favorecem e valorizam a pessoa idosa e os que envelhecem.img3

 Com o Decreto 8.114 de setembro de 2013, fica estabelecido o Compromisso Nacional para o Envelhecimento Ativo, com  objetivo de conjugar esforços da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, em colaboração com a sociedade civil, para valorização, promoção e defesa dos direitos da pessoa idosa.

As ações implementadas no âmbito do Compromisso Nacional para o Envelhecimento Ativo terão como fundamentos os seguintes eixos:

I – emancipação e protagonismo; II – promoção e defesa de direitos; e  III – informação e formação. As ações implementadas para o Envelhecimento Ativo serão orientadas pelas seguintes diretrizes para o diretrizes da política nacional do idoso, nos termos do art. 4o da Lei no 8.842, de 4 de janeiro de 1994, em consonância com o Estatuto do Idoso, instituído pela Lei no 10.741, de 1o de outubro de 2003,  envelhecimentosaudavel

 Dentre outras ações proposta e colocadas em prática por A promoção do envelhecimento ativo, por meio de afirmação de direitos e do protagonismo da pessoa idosa na promoção de sua autonomia e independência criação de ambientes propícios e favoráveis à sua efetivação, articulação intra e intersetorial, para assegurar atenção integral às pessoas idosas e às suas famílias,integração de serviços em áreas socioassistenciais e de saúde com fortalecimento da proteção social, da atenção primária à saúde e dos serviços de notificação e prevenção da violência,fortalecimento de redes de proteção e defesa de direitos da pessoa idosa,incentivo ao apoio da família e à convivência comunitária e inter geracional, ampliação de oportunidades para aprendizagem da pessoa idosa e seu acesso à cultura.idoso-computa----o-Divulga----o

 O desenvolvimento de estudos e pesquisas relacionados ao envelhecimento da população,acompanhamento e controle social por parte de entidades representativas na defesa e promoção dos direitos da pessoa idosa  e divulgação da política nacional do idoso, em diversos âmbitos. Muito mais que realizar os tão importantes bailinhos, as aulas de ginástica e atividade física, muito mais que tudo isso, é o conjunto da obra, na qual não se permite mais um olhar de pena, sofrimento e a infantilização da pessoa que envelhece.

 

 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • PDF
  • Technorati
Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados