Categorias

Filme com roteiro inédito de Bergman será lançado em 2018

Ingmar Bergman 1965 Regissör chef för Dramaten Stockholm

Diretor sueco Ingmar Bergman nos anos 60

Após nove anos da morte do diretor Ingmar Bergman (“O sétimo selo”, “Gritos e sussurros”. “Persona”, “Sonata de Outono”), um roteiro inédito do sueco foi encontrado e será filmado pela cineasta Suzanne Osten, artista que se opunha às ideias do conterrâneo. A informação em primeira mão foi divulgada pelo jornal “Dagens Nyheter”. O script resultaria em um projeto, não realizado, de Bergman, do italiano Federico Fellini e do japonês Akira Kurosawa, diretores mortos na década de 90.

“Sessenta e quatro minutos com Rebecka” foi escrito no final dos anos 60. O roteiro foi guardado no início dos anos 2000, quando Bergman doou sua coleção a uma fundação que cuida de sua obra. Inicialmente, a história estreará como peça de rádio, em novembro. A previsão de lançamento do filme é 2018, ano do centenário de Bergman.

 

Fonte: Folha de São Paulo

Persona — o exercício do pecado

Liv Ullmann e Bibi Andersson em cena de “Persona”, do diretor sueco Ingmar Bergman

 

Em uma ilha, duas mulheres, antes desconhecidas, convivem e revivem histórias e segredos. Vindas de um hospital, as estranhas abrem-se uma a outra. Cada qual a seu modo. Uma permanece em silêncio. A outra conduz o relacionamento unilateral com palavras nunca ditas antes. As personagens se conheceram durante a internação da atriz Elizabeth Vogler, interpretada por Liv Ullmann, que, durante três meses, ficou em absoluto silêncio.

Após problemas na apresentação do espetáculo “Electra”, quando perdeu a voz no palco, Elizabeth isola-se do mundo em sua quietude. Internada, mas sem danos mentais ou físicos, ela recebe o conselho de uma psiquiatra, que compreende o seu novo modo de vida e os motivos que a levaram a segui-lo, e se muda, com a enfermeira Alma, personagem de Bibi Andersson, para a casa de praia de médica, em uma ilha.

Em português, “Persona” foi batizado como “Quando duas mulheres pecam”. Nas primeiras cenas do filme, Alma, em uma tentativa de se aproximar de Elizabeth, discorre sobre sua vida, ideal à primeira vista: enfermeira formada há poucos anos, casada e apaixonada pelo marido. O convívio íntimo, já na ilha, no entanto, faz com que a perfeição de sua história seja desconstruída por meio de relatos mantidos, até o momento, em segredo. O pecado do título, então, refere-se às verdades contadas pela mulher, que afirma que o amor acontece somente uma vez e, por isso, ela deve ser fiel ao marido e ao suposto sentimento nutrido por ele.

Com o passar dos dias, a relação se torna mais forte. Alma começa a se comunicar, à sua maneira, com Elizabeth, que responde com pequenas reações faciais e corporais. À medida que dividem as horas do dia, entre cigarros, bebidas e revelações, as identidades das mulheres parecem se fundir diante do espectador. Em uma sequência, à noite, Alma tenta dormir quando Elizabeth invade o seu quarto. Nela, com movimentos uniformes, roupas e expressões semelhantes, elas têm uma atípica troca, simbolizando a fusão entre ambas. As transferências das personagens – propositalmente confusas – são mais visíveis em cenas finais, principalmente durante a aparição do senhor Vogler (Gunnar Björnstrand). “É tudo mentira e imitação”, vocifera a então perturbada enfermeira.

O ato de revelar o interior leva Alma a um estado de angústia que a diferencia da Alma do início da história, cuja aparência transparecia leveza. As mudanças de comportamento ficam mais intensas após a enfermeira ler, à revelia de Elizabeth, uma carta da atriz enviada à psiquiatra. Ela lhe conta os segredos revelados pela companheira e afirma que é ótimo poder analisá-la. A quietude da artista torna-se insuportável para a parceira. Somente quando ameaçada, Vogler diz uma das únicas frases proferidas por Liv Ullmann em “Persona”: “não faça isso”. Um susto. Um pedido desesperado. Um chamado à realidade.

Certas passagens do filme mostram que Elizabeth e Alma se tornam o inferno da outra; o enfrentamento com os piores medos, verdades e fatos sobre suas respectivas vidas; a impossibilidade de negação, que era possível até o encontro das personagens. A transição violenta entre fatos e imaginação.

Proposital, a opção por apenas observar a realidade e as pessoas que dela fazem parte provém da dificuldade de se encaixar no mundo em que vive. Em contato com a psiquiatra, Elizabeth ouve da mulher as verdades que geraram seu novo modo vida: o conflito entre se mostrar e se esconder; entre ser e parecer. Em resposta, por escrito, a concordância: “Eu viveria assim para sempre. Em silêncio, vivendo uma vida reclusa, com poucas necessidades, sentindo minha alma finalmente se acalmar”.

Em seu primeiro filme com o diretor sueco Ingmar Bergman, ao lado da já consagrada Bibi Andersson (com mais uma atuação magistral), Liv Ullmann traduz toda a carga de emoção da personagem – uma das características do cinema produzido pelo homem, sempre relacionado aos mais complexos e profundos sentimentos. Em um monólogo, Liv, norueguesa de então 25 anos, escuta os segredos de Alma. Apenas escuta. Silencia em todos os momentos, fazendo com que a mulher tenha a oportunidade de, sozinha, conhecer a si mesma em um quase exercício socrático. O método é aplicado, também, à atriz, quando ela se depara com seus próprios demônios interiores.

 

As faces de Clarice Falcão

Foto: reprodução/Facebook

Foto: reprodução/Facebook

 

Fortuitos encontros (e desencontros) diários, muitas vezes, servem como empurrão para que tenhamos a oportunidade de conhecer novas produções do mundo artístico, em suas mais diversas formas. Música, livros, teatro, cinema. Com as notícias divulgadas sobre a área de cultura, é possível ter acesso a inúmeros trabalhos que têm sido publicados, tanto nacional quanto internacionalmente. Mas, cá para nós, os brasileiros causam mais encanto quando comparados aos que vêm de fora.

Olhar para si, para seu povo, sua arte e formação faz com que o indivíduo tenha maior sensibilidade para compreender e admirar (e também criticar, com base) o que é produzido no país em que nasceu. Entre algumas das boas novas surgidas há relativamente pouco tempo, uma das que mais aparece na mídia é Clarice Falcão, que, com suas peculiaridades, compõe canções que despertam a curiosidade dos consumidores mais jovens. E, apesar do lado irônico predominante, a artista tem o aspecto dramático, que é pouco explorado.

Também atriz e humorista, Clarice, filha da escritora e roteirista Adriana Falcão e do diretor João Falcão, ganhou destaque após participar do canal Porta dos Fundos, no YouTube. Os vídeos, de curta-metragem, têm visibilidade devido à exploração de um tipo de humor que não se enquadra na televisão brasileira. Por isso, a opção pela plataforma alternativa. A artista fez parte do grupo por alguns anos, mas se desligou em 2015 para, segunda ela, cuidar da carreira musical.

Recentemente, ela lançou “Problema Meu”, o segundo álbum de sua carreira. Ácido, doentio e cômico: três termos que definem as composições do CD. Entre as 14 músicas, o ouvinte encontrará lamentos e ameaças relacionadas a abandonos em um bar; confidências de uma mulher para a ex do namorado, com quem divide angústias e histórias; desejos de vingança transmitidos em uma composição feita pelo pai, João; e autocrítica irônica sobre sua própria produção.

Embora sua carreira esteja mais vinculada ao lado humorístico-sarcástico, o primeiro produto artístico em que Clarice se destacou – e que lhe rendeu prêmios, inclusive no concurso Project: Direct, realizado pelo Google e promovido pelo YouTube – foi o curta-metragem “Laços”, com roteiro de Adriana, sua mãe, e direção de Flávia Lacerda. Lançado em 2007, o vídeo acompanha o trajeto de uma menina pelas ruas.

Perdida após fugir do funeral do pai, ela encontra um rapaz desconhecido que tenta compreender o motivo do choro da garota e animá-la. Enquanto pede ajuda com a gravata, ele fala sobre a força de vínculos e sentimentos que unem os seres humanos, dando à personagem novas formas de encarar a vida, com surpresas diante de descobertas. Em cena, Clarice, ainda um rosto desconhecido, transmite emoções que se tornariam incomuns em sua futura carreira, abrindo mão da ironia característica e fortalecendo a ideia de que, apesar de optar por determinado estilo, o artista deve portar e saber usar suas múltiplas faces.

 

 

Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados